Translate

24 de setembro de 2016

Admirada secreta

♪ Conselho: Não ouça Roberto Carlos.

*******, sou aquele que aprecia 
as estrelas nas noites claras
que enquanto você dormia
em ti pensava, teu nome escrevia

Aquele que dedicou
versos de poesia 
que te admirou
muito além de aparência física
(Embora também sejas bonita)

Ah...*******, espero que tenhas
a sua espera
alguns ou um apenas
com alma inda mais bela

Não são todas
as noites estreladas
e nem são todas
as poesias terminadas

nem toda vegetação
produzirá suas flores
nesta estação
nem sempre ouvirá
a canção dos beija-flores
assim como nem sempre me verá
morrer de amores

20 de agosto de 2016

Dica Canal Youtube

Gostaria de compartilhar um ótimo canal que encontrei no youtube: o canal do prof° Laércio Fonseca. Não que eu concorde com tudo o que ele diz (tem lá minhas dúvidas quanto a espíritos/ufo/reencarnação). Mas as palestras que ele trata de conhecimento interior e espiritual são excelentes. Gostaria de destacar algumas palestras que assisti que marcaram muito:

A filosofia e a espiritualidade do tai chi chuan (a 1ª que assisti)
Seminário de tantra, sexo e espiritualidade (não imaginava que estes temas pudessem se interligar. Ajuda a entender como muitos traumas são formados na adolescência)

O spin do elétron e O salto quântico (Excelente, só um físico espiritualista poderia dar uma palestra juntando ciência/fé)

Jesus: Um mestre zen na Galiléia (fantástica...sem comentários. Só asistindo mesmo)
O caminho do meio (Por essa última, fiquei muito influenciado a escrever os poemas das postagens anteriores)

 
Espero que curtam a dica.

Namastê!

31 de julho de 2016

Nobre Verdade

Sobre a 1ª verdade da religião filosofia budista. Ainda que tendo estudado pouco dessa filosofia, acredito que ela deveria ser ensinada na escola, junto com Aristóteles, Platão e outros.
-------

Ah sábio, nos diga:
 há tanto tempo que meditas
  a que conclusão
   chegou após tanta meditação?

viro-me para ir embora
  do mestre que me ignora
    quando ouço com toda claridade
      a primeira nobre verdade

Tenho pensado muito
   sobre os problemas do mundo
      Com o viver,
         vem o sofrer

mas... não desanimemos:
    alegria ou dor: ambos são efêmeros

3 de junho de 2016

Poema a um príncipe

Parte III

Sidarta fica impressionado
com tristeza imensa
quando descobre novo fato:
a doença

e em seguida conhece
um inimigo ainda mais forte:
a morte

o príncipe transforma-se em mendigo
antes tão festivo
agora faz perguntas complexas
procura respostas entre os ascetas

aprendeu muitas regras
penitências severas:
o desapego
do que temos e do que queremos

mas ele descobriu que temos
a maioria das respostas
dentro de nós mesmos

--*--*--*--

Namastê!

31 de maio de 2016

Poema a um príncipe

Parte II

Ao sair do castelo
num olhar que divaga triste
vê um homem velho
e descobre a velhice

ora, mas é tão óbvio.
Sem ter visto isso algum dia
não nos pareceria
assim tão lógico

a beleza da juventude
não era eterna
que decepção!

a senectude
implacável a leva
sem fazer distinção

30 de abril de 2016

Poema a um príncipe

Depois de ler sobre a história de Sidarta (buda) fiquei inspirado a escrever este poema.
Parte I

Envolto em um castelo
um principe se encontra
vivendo um mundo belo
um universo em uma redoma


homem livre
mas escravo do desejo
embora príncipe
obedecia ao apego

e o que haveria de mais?
fora assim ensinado
por seus pais


ao ser criado
com o luxo e a riqueza
da realeza

20 de fevereiro de 2016

A importância do descanso...

Já faz vários meses que não escrevo uma poesia. A rotina diária acaba tomando lugar, tomando espaço e tempo. Até setembro de 2015, trabalhei na digitação, diagramação, registro e impressão do meu último livro "Pequena coletânea de Poesias". Depois disso, comecei a estudar para o concurso do INSS (a princípio, sem saber quando sairia o edital) atividade que se prolongará até maio deste ano.
Será cerca de 1 ano sem escrever....é muito tempo!
Porém, há algo bom nisso. Enquanto não escrevo, novas ideias para poemas vão surgindo.
Quando escreve-se com grande frequência, corre-se o risco de ser repetitivo. Dar uma 'pausa' pode ajudar a relaxar a mente (relaxar da poesia, ainda que cansando com outras coisas) para depois voltar com poemas realmente novos, ou seja, que tragam ideias novas.
-"Você não tem medo de perder a inspiração?"
Não, não tenho. Não existe ex-poeta. É como andar de bicicleta. Você talvez perca um pouco o jeito, se ficar vários anos sem pedalar. Mas nunca esquece por completo.